Como encontrar propósito para sua vida - VOCÊ É MAIS que um cargo
Voltar

Você é muito mais que um cargo

Depois que passamos de uma certa fase da vida, existe uma pergunta que parece nos perseguir toda vez que conhecemos alguém novo ou nos reencontramos com quem não vemos há muito.

 

O que você faz?

 

Embora a pergunta seja muito ampla e, embora possamos respondê-la de inúmeras maneiras, fica entendido que a pessoa em questão quer saber nossa profissão ou nosso trabalho.

 

Para quem está satisfeito com a posição atual, a resposta vem tão livre e tão leve quanto um passeio no parque em um dia calmo de domingo.

 

Infelizmente, é grande a parcela dos brasileiros que não sente qualquer leveza em tratar do assunto. Segundo pesquisas, 90% dos trabalhadores não estão satisfeitos.

 

Desse número, 36% estão infelizes com o trabalho que desempenham, enquanto 64% gostariam de fazer algo diferente para se sentirem mais felizes.

 

Então, se você ouvir alguém falando sobre o seu trabalho com um certo tom de pesar, ou se você é aquele que fala assim, sinto dizer que as estatísticas estão corretas.

 

 

Você é uma pessoa, não um cargo

 

Para aqueles que buscam recolocação ou estão na batalha do empreendedorismo, a pergunta pode desencadear emoções que nem sempre estamos aptos a lidar.

 

Afinal, não é porque você está desempregado ou buscando soluções para empreender, que você está em um limbo, sem personalidade ou sem razões para socializar.

 

Lembre-se: você não é um cargo, você não é uma assinatura bacana ao final do e-mail. Você é uma pessoa e, como tal, faz muito e tem muito a fazer ainda!

 

Você não tem como mudar a pergunta, ela sempre vai existir em rodas de conversas, em festas e reencontros. Mas você pode mudar a forma como lida com ela.

 

 

Como mudar o que parece ser impossível?

 

Existe uma parte da população que está satisfeita e feliz com a posição em que está atualmente. O que será que elas fazem de diferente?

 

É necessário uma pausa para uma reflexão sua consigo mesmo. Não para responder pelos outros, mas por você: o que te deixaria mais feliz em seu trabalho?

 

Será que é mais renda, será que é um cargo com mais responsabilidades (ou com menos), será que é sentir que está realmente fazendo alguma diferença para o mundo?

 

Nao sei, pois não posso responder por você, mas eu tenho uma ideia baseada naquilo que tenho visto com certa frequência:

 

É necessário encontrar um propósito no seu trabalho. Sem propósito, sem motivação, é difícil levantar da cama, quiçá ir trabalhar e voltar mega feliz.

 

Dentro do seu nicho, dentro da sua realidade, é possível descobrir o propósito que falta para você ver que aquilo tem importância e que você é a chave fundamental disso.

 

Será que, a partir do momento que você se enxerga como um dos motores da empresa, sua perspectiva e atitudes não começarão a mudar?

 

E se não é nada disso, e se você sente que o seu modelo de trabalho atual não está funcionando, que isso não é o que você quer para sua vida? O que fazer?

 

Mais uma vez vale a autorreflexão: como seria a vida ideal no quesito profissional, mantendo os pés no chão? Depois, como fazer para caminhar na direção de tais objetivos? O que te impede, hoje, de começar?

 

Esse texto não busca oferecer soluções imediatas ou enlatadas, afinal, cada caso é um caso e deve ser estudado individualmente; mas busca, sim, provocar uma troca de ideias e percepções.

 

Mas algumas coisas sempre valem ser citadas quando falamos de trabalho, carreira e insatisfação:

 

É importante que você busque um balanço positivo entre trabalho e vida pessoal. Haverá concessões, sem dúvida, mas que elas sejam bem equilibradas! Isso não é um estado de conquista, é uma dança diária.

 

Pessoas adoecem o tempo todo devido ao alto stress, a forte pressão, por causa da ansiedade que não para de bater à nossa porta, entre diversos outros males.

 

Não faça parte dessa estatística e, caso seu caso já esteja mais sério, busque ajuda especializada para amenizar esses efeitos, certo?

 

Estresse profissional crônico, ou Síndrome de Burnout, acaba de ser reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença. Então isso é assunto muito sério! E como acontece com qualquer doença, o melhor é sempre prevenir!

 

 

O que você faz fora do seu trabalho?

 

Como falamos acima, a pergunta, às vezes incômoda, nunca irá deixar de existir, mas a forma como você responde pode ser totalmente diferente e muito interessante.

 

Pare e pense: o que você faz fora do seu trabalho? Está escrevendo um livro, tocando um novo instrumento, realizando trabalho voluntário, aprendendo a consertar motores?

 

Não sei! Mas busque sempre mostrar seus interesses e suas ações fora do trabalho. Lembre-se: você não é definido por um cargo, você é uma pessoa!

 

E se você acha que não faz nada demais, procure olhar para si e perceber o que você faz bem, quais são seus hobbies ou o que você gostaria de aprender. Você exerce múltiplo papéis e o trabalho é só um deles.

 

A troca entre pessoas é uma das mais ricas que você poderá encontrar em toda sua vida. Oferecer uma resposta incomum para uma pergunta comum pode ser de grande valia.

 

E para a vida de ambos!

 

Se você precisa de algo que te tire do trajeto casa-trabalho-casa, procure por cursos, aulas ou oficinas que quebrem sua rotina e faça com que você seja mais interessante.

 

Se não houver nada perto ou dentro das suas possibilidades financeiras, lembre-se que a internet está cheia de oportunidades para quem quer aproveitá-las.

 

Então aproveite!

 

Aproveitando: recentemente produzi uma websérie de quatro episódios chamada e-Mindset. Nela eu falo sobre redesenho de vida, carreira e transformação profissional.

 

Os vídeos estão disponíveis online, são totalmente gratuitos e estão esperando por você. Ficou interessado? Comece a virar o jogo agora!

Compartilhe
FacebookTwitterLinkedInPinterestWhatsAppEmail
print