A chave para o sucesso profissional é...
Voltar

A Chave Para o Sucesso Profissional é…

Claúdia no Jornal de Empregos e Estágios

Na edição semanal de 19 a 25 de julho do Jornal de Empregos e Estágios, nossa chef Claudia Klein estava entre os convidados para colaborar em uma matéria sobre a chave para o sucesso profissional. Ela fez uma reflexão e deu dicas para uma carreira feliz e bem sucedida. Confira abaixo.

 

A chave para o sucesso profissional é…

Especialistas fazem uma reflexão e dão dicas sobre os principais passos para se ter uma carreira bem sucedida.

Ser gerente até os 30 anos? Diretor até os 40? Ganhar um milhão de reais aos 35? Ter vivenciado uma carreira internacional?

Será que são essas as posições para se medir um profissional bem-sucedido?

Embora muitos ainda deixem a sua carreira por conta da empresa onde trabalha, é bom lembrar que compete à pessoa gerenciar a sua vida profissional.

Aquele que quer investir em sua carreira sabe que precisa aprender todos os dias e com todas as pessoas, independentemente de nível e hierarquia.

Existem cada vez mais profissões e oportunidades de construir uma trajetória de sucesso. No entanto, é necessário ter um plano de carreira, principalmente se a pessoa não tiver ideia daquilo que quer fazer.

Cezar Tegon, presidente da Elancers, uma das maiores empresas do mercado de sistemas de Recrutamento e Seleção, explica que um dos maiores erros cometidos por profissionais é achar que sabe de tudo.

“O maior erro que um profissional pode cometer em sua carreira é a soberba, achar que já sabe tudo, que não tem nada a aprender, que é o melhor de todos, que não depende de ninguém, entre outras questões.

Agindo assim, este profissional estará de fato pondo um ponto final em seu aprendizado. Além do erro da soberba, existem outros pequenos e básicos gerados, principalmente, pela fala de maturidade e experiência, e que são clássicos no início de carreira como, por exemplo, postura arrogante no dia a dia, frases que não deveria dizer, palavras chulas fora de contexto, entre outras falhas”, comenta.

Para a gerente de seleção da Luandre, Elisa Inácio, o maior erro que o profissional comete é no início de sua carreira.

“A decisão de qual carreira trilhar é fator determinante do sucesso, tendo em vista que a profissão que hoje está “em alta” pode não estar amanhã e, caso a carreira não tenha sido bem escolhida, com certeza esse profissional se frustrará”, argumenta a gerente da Luandre, empresa de Recursos Humanos especializada em Recrutamento e seleção com 43 anos de existência.

Já Claudia Klein, diretora da Argumentare – empresa que oferece soluções de desenvolvimento -, acredita que o profissional não pode acreditar em outras pessoas para a condução da sua carreira.

“O profissional não pode aceitar que o “outro” seja responsável pelos acontecimentos da sua trajetória profissional e precisa compreender que não deve atuar como o protagonista na construção da carreira.

Diante das adversidades, não se colocar como o único responsável pelas atitudes que vai escolher e adotar, argumenta a diretora.

 

Passo a passo para uma vida profissional

Algumas pessoas podem não estar satisfeitas com a sua carreira.

Para reverter esta situação, nada mais recomendado do que realizar um planejamento dela.

O primeiro passo é a realização de uma auto-análise, onde deve-se refletir se realmente a pessoa faz o que gosta, segundo o presidente da Elancers, Cezar Tegon.

Para a diretora da Argumentare, Claudia Klein, primeiramente o profissional deve saber exatamente o que quer.

“Conhecer a si próprio é o primeiro passo. Compreender o que gosta, o que não agrada, aquilo que valoriza, que impacto causa no ambiente, qual é a marca como reage sob pressão e qual é o sonho.

Essas são algumas das questões que precisamos compreender bem para construirmos uma trajetória profissional que nos realize”, diz Claudia Klein.

Cézar Tegon diz que o profissional deve tomar notas de todos os dados que considera relevantes para seu plano de carreira, e definir em tópicos.

Só depois de ter uma boa base de idéias em rascunho, deverá começar a avalia as informações recolhidas.

Segundo a gerente de Seleção da Luandre, Elisa Inácio, o profissional deve, ainda, pensar nas suas experiências profissionais anteriores e ver de que forma pode aproveitar essas vivências na sua atual função.

De acordo com ela, este “regresso ao passado” deverá ser aproveitado para analisar todos os motivos que o levaram a apostar em determinada empresa, ou, pelo contrário, as razões que o levaram a sair.

“Estar em uma posição alta não significa uma carreira bem sucedida, muito menos perfeita. Existem profissionais muito satisfeitos com uma função em nível hierárquico mais baixo.

Satisfação não está atrelada a cargo e sim à satisfação profissional e pessoal”, comenta Elisa.

Um bom sinal para saber se o profissional tem uma carreira perfeita é perguntar se ele está cansado, estressado ou descontente.

Se a resposta for sim, segundo ela, é sinal de que tem algo errado, provavelmente, mesmo se ele for um executivo de primeira linha e estiver ganhando muito bem, é um claro sinal de algo está em desconformidade com o que ele sonha e precisa ser mudado urgentemente, sob pena de comprometer a sua própria saúde.

“Posições e hierarquia não são sinais de carreira perfeita. Existem muitos presidentes infelizes e muitos ótimos técnicos felizes como o contrário, também, é verdade”, diz Cezar Tegon.

Para ele, por outro lado, se o profissional, mesmo com grande quantidade de trabalho e compromissos, acordar todos os dias como se fosse seu primeiro dia de trabalho na empresa e se mostrar feliz e motivado frente às adversidades, está na carreira perfeita, fazendo o que gosta e dando resultados satisfatórios para ele e para a empresa.

Cézar ambém comenta que é um erro pensar que subir é sempre para cima. “Existem profissionais que optam por ter uma carreira linear, sem altas promoções e que são excepcionais no dia a dia em sua função. Esse é o objetivo de carreira perfeita para eles”, explica.

 

Escolha da melhor carreira a trilhar

Escolher qual carreira seguir é, provavelmente, uma das decisões mais difíceis na vida.

Para a maioria das pessoas, requer muito esforço e dedicação. Por isso, é importante buscar, antes de tudo, o autoconhecimento, segundo os especialistas.

Um bom profissional tem sempre os seus objetivos profissionais bem definidos.

A gerente de seleção da Luandre, Elisa Inácio, acredita que a carreira perfeita é aquela feita com força de vontade.

“A carreira perfeita é aquela que foi trilhada com dedicação, força de vontade e amor. Devemos, sempre partir do princípio do que faz bem. Hoje nossa jornada de trabalho ultrapassa muito mais que 44 horas semanais. O profissional deve estar inteiro, e não consigo enxergar uma maneira de ser bem sucedido profissionalmente senão pelo prazer no que se faz”, explica.

Para toda carreira, para se ter um bom caminho e estar perto da perfeição, são necessárias doses diárias de comprometimento, dedicação e persistência.

“Aliado ao comprometimento, dedicação e persistência, é fundamental que a pessoa saiba com mais clareza sobre o seu perfil comportamental, sua forma de agir e reagir sob determinadas situações do dia a dia, sobre os requisitos de sua função atual e tendências”, argumenta Cezar Tegon, presidente da Elancers.

 

Comportamento em um processo seletivo

Segundo especialistas, o nervosismo e ansiedade podem fazer com que o candidato deixe várias informações passarem na hora do processo seletivo.

Segundo, a diretora da Argumentare, Claudia Klein, a capacidade de contar sua história com entusiasmo e apresentar fatos e dados sobre as realizações que são relevantes para a posição buscada, contam bastante na hora da entrevista da seleção.

Os especialistas dizem que durante uma entrevista, o ponto chave está em atrelar os conhecimentos técnicos que o candidato informa no currículo com experiências vividas que demonstrem o quanto de conhecimento tornou-se prático no seu dia-a-dia. Cezar Tegon, presidente da Elancers, acredita que uma boa entrevista de seleção é quando o contratante comprova tudo o que ele leu no currículo.

“Na entrevista, é importante que o entrevistador sinta que o que ele leu no currículo do candidato é, de fato, verdade e que portanto este candidato tenha condições de ser o escolhido para a função”, comenta o presidente.

Outro problema na hora de guiar a carreira é o tempo de permanência dentro de uma empresa.

Ficar muito tempo em uma companhia ou ter passagens curtas em organizações diferentes?

Esse é um dilema para o profissional atual.

Para a gerente de seleção da Luandre, Elisa Inácio, os dois profissionais possuem o seu valor.

“Não existe uma fórmula correta. O que vai definir, neste caso, serão as exigências da empresa.

Dependendo da função, pode ser interessante que o candidato possua muita experiência na mesma empresa, já para outro cargo, o que importa poderá ser a diversidade de empresas e, consequentemente, culturas e valores das demais organizações que o candidato trará para seu novo emprego”, finaliza.

 

– Por Claúdia Klein.

Compartilhe
FacebookTwitterLinkedInGoogle+PinterestWhatsAppEmail
print