Voltar

O valor do seu tempo

O valor do seu tempo

Imagem: Realty Link Inc

Li recentemente um texto de Lucy Kellaway, colunista do Financial Times, que tratava da importância de ser pago pelos trabalhos que você exerce. Nele, ela fala de uma vez que ligou para Alan Clark, falecido membro do parlamento britânico, pedindo uma entrevista. Ele, prazeroso, concordou, mas disse que ela deveria pagar por seu tempo – dinheiro que ele usaria para reformar uma das residências de sua família. Chocada, ela recusou, mas hoje em dia mudou de ideia: cada um vende aquilo que sabe e pode vender. No caso dele, seu tempo e opiniões.

Ela não sugere, em momento algum, que as pessoas comecem a cobrar para dar entrevistas – até porque ser entrevistado pode ser uma excelente forma de se promover. O que Kellaway propõe é uma reflexão sobre o quanto fazemos coisas que são de nosso talento e domínio sem cobrar nada por ela. Se pararmos para pensar, há uma variedade de funções e tarefas que exercemos gratuitamente, mas que poderiam ser uma renda extra.

Mais ainda, há aquelas pessoas que efetivamente trabalham de graça. Não falamos aqui de estagiários – ainda que ganhem pouco, são pagos com algo muito mais valioso que dinheiro: experiência –, mas de quem faz muitas horas extras sem receber nada por elas, muitas vezes por puro vício.

Três situações são listadas pela autora em que trabalhar sem remuneração faz sentido. Vamos analisá-las?

Causas nobres. O trabalho voluntário, aquele que se faz pensando no bem estar alheio e, por consequência, na consequência tranquila, na certeza de estar fazendo a sua parte para um mundo melhor.

Paixão. Sabe aquela coisa que você sempre quis fazer e finalmente surgiu uma oportunidade, mesmo que não haja compensação financeira? Aquela vontade de ser parte de algo que você realmente acredita e acha interessante? Isso é trabalhar por paixão.

Boa publicidade. Está aí uma das principais razões para alguém trabalhar de graça: a crença de que isso ajudará a construir uma boa imagem sua, abrindo portas e sorrisos.

Ora, nessas três situações, é perfeitamente compreensível trabalhar de graça. Mas infelizmente ajudar o próximo e amar o que faz não pagam as contas no fim do mês. E boa publicidade pode, de fato, fazer oportunidades pipocarem, mas o que é uma boa oportunidade? É preciso saber a diferença entre um poderoso conglomerado de mídia e o blog do seu vizinho.

Poxa, mas não posso trabalhar de graça? Pode, claro! Mas isso realmente lhe faz bem? Ou você acha que poderia aplicar seu tempo em algo mais frutífero para o seu bem estar e/ou o seu bolso? Kellaway cita ainda um poderoso motivador para o trabalho gratuito: aquela sensação boa de quando somos solicitados. Como é bom quando alguém precisa da gente! Mas até que ponto isso é saudável?

Não é para recusar fazer um favor para aquele seu amigo que conta com a sua ajuda de vez em quando, mas vale a pena parar um pouco e pensar no tema.

Quanto vale o seu tempo?

Compartilhe
FacebookTwitterLinkedInPinterestWhatsAppEmail
print