Voltar

Museu secreto: livro mostra peças que são mantidas escondidas do público

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

O livro “The Secret Museum” (O Museu Secreto, em tradução livre), lançado pela autora britânica Molly Oldfield, mostra aos leitores artefatos que os museus não exibem ao público. São peças que vivem escondidas por diversos motivos. Algumas são preciosas demais para serem apreciadas sem um poderosíssimo esquema de segurança. Outras, tão frágeis que podem sofrer graves danos se expostas a luz. Há ainda aquelas que são mantidas em segredo pela simples vontade de seus curadores.

Entre os tesouros citados, há cadernos de rascunho de Vincent Van Gogh, que gostava de desenhar as imagens que o impressionavam assim que as via para só depois usá-las, se desejasse, em uma de suas pinturas. Os cadernos do impressionista nunca deixam as salas restritas do Museu Van Gogh, em Amsterdã.

Da macieira que inspirou Isaac Newton a formular a Lei da Gravidade, restaram três pedaços com menos de 10 cm de comprimento. Os restos da árvore que sombreava a casa onde o cientista cresceu são agora mantidos a sete chaves na Royal Society de Londres.

Somam-se a essas raridades outras 58 peças que Oldfield descreveu em sua obra. São objetos que ajudam a contar a história da arte e do mundo como um todo. Menos de 24 horas após o lançamento, a publicação entrou para a lista dos cem mais vendidos da Amazon.

Caderno de rascunhos de Vincent Van Gogh / Imagem: Yahoo!

Caderno de rascunhos de Vincent Van Gogh / Imagem: Yahoo!

A autora percorreu cem instituições espalhadas por cidades em todo o planeta durante sua pesquisa. No Brasil, destaca a cruz de pedras preciosas do Museu de Arte Sacra de Salvador, na Bahia. Segundo ela, em entrevista ao jornal carioca O Globo, o objeto é valioso demais para ser exposto sem um massivo planejamento de segurança. Ela também ficou encantada com a estátua de madeira Exu Boca de Fogo, escondida no Museu Afro-brasileiro, também na capital baiana. A peça é mantida longe dos olhos do público porque os curadores temem que possam achar que o orixá é ameaçador, devido ao chifre e à língua da imagem.

No Rio de Janeiro, há seis telas do pintor naïf Ricardo de Ozias feitas com as pontas dos dedos e escovas de dentes, representando o sofrimento dos escravos. Todas as seis estão guardadas porque o fundador do Museu Internacional de Arte Naïf, Lucien Finkelstein morreu antes de decidir o que seria feito com elas.

Passando por outras peças, como a cabeça do menor dinossauro da América do Sul, em São Paulo, e três fragmentos vindos de Marte, no Observatório do Vaticano, o livro reúne a seleção da própria autora de objetos ocultos. Ela diz que quem também se enveredar por este caminho de pesquisa vai se deparar com muitos outros tesouros secretos. Afinal, o número de obras e artefatos que os museus exibem é muito menor comparado ao que eles guardam para si.

Leitura mais que recomendada para quem gosta de arte, história e segredos.

Compartilhe
FacebookTwitterLinkedInPinterestWhatsAppEmail
print

1 Comentário

Gostaria de uma informação, este livro the secret museum foi traduzido para o português? Se foi aonde posso achá-lo? Acho que deve ser fascinante, pois eu trabalho em um museu.
Obrigado
joseane