Voltar

A arquitetura poética do mestre Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer foi ousado, criativo e com traços leves e certeiros desenhou grandes monumentos da arquitetura mundial, conseguindo traduzir, em 104 anos de lucidez, sua maneira moderna, inovadora e ousada de enxergar o mundo. Mesmo centenário, ele não deixou de trabalhar e se foi deste mundo com várias obras inacabadas.

Oscar Niemeyer: o poeta das curvas!

Um poeta da arquitetura! Este é o adjetivo mais usado para predicar o arquiteto que descreve a sua base de inspiração diferente dos processos comuns. “Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida.”
Niemeyer, nascido em 15 de dezembro de 1907, formou-se engenheiro arquiteto no Rio, em 1934. Trabalhou de graça nos anos seguintes participando dos estudos para a construção da sede do Ministério da Educação e Saúde no Rio, conhecido com Palácio Capanema e considerado o primeiro monumento do modernismo na América Latina. O arquiteto carioca ficou famoso por projetos que se tornaram cartão-postal de Belo Horizonte, no bairro da Pampulha, nos anos 1940, e de Brasília, dez anos mais tarde, com a construção da nova capital federal.
É considerado um dos artistas brasileiros mais reconhecidos no exterior sendo condecorado com vários prêmios. Repetia em várias entrevista, que gostava de oferecer no seu escritório em Copacabana, que “a arquitetura não interessa, o que interessa é a vida”.
O arquiteto morreu nesta quarta-feira às 21h55 no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro. “O que vale é a vida inteira, cada minuto também, e acho que passei bem por ela … Quando olho para trás, vejo que não fiz concessões e que segui o bom caminho. Isso é o que dá uma certa tranquilidade”, disse aos jornalistas durante as homenagem que recebeu em seu centenário.

E para saber mais sobre sua vida e obra, a Globo News fez uma entrevista exclusiva com o arquiteto em dezembro de 2002. Veja a entrevista completa clicando AQUI.

 

Compartilhe
FacebookTwitterLinkedInPinterestWhatsAppEmail
print