Voltar

Quero Matar meu Chefe

Calma gente, eu não enlouqueci!!!

Esse é o título do filme que está em cartaz, uma comédia leve e divertida, recomendo muito!

Não ousaria dizer que existem por aí funcionários que estejam levando isso a sério e que teriam essa coragem, mas afirmo que os tipos de chefe que aparecem na telona existem aos montes entre as paredes corporativas e em qualquer outro ambiente de trabalho.

Há milhares de pessoas que vivem essa desagradável experiência, muitos vão ficando e aprendem a se “defender”, afinal precisam do seu trabalho e não enxergam outra alternativa, outros ficam e sofrem até que o corpo dê os sinais do temido stress psicológico, muitos outros deixam a empresa, ou melhor, o chefe. A maioria absoluta das pessoas que troca de emprego, o faz motivada pelos problemas com seu chefe.

Tenho imensa curiosidade de entender em que momento da vida um sujeito toma essa decisão: “Pronto, serei um chefe grosseiro e infernizarei a vida dos meus funcionários.”  O mais curioso é que esse fenômeno acontece, sempre, de cima para baixo na hierarquia, nunca vi alguém decidir que seria insuportável com seu chefe, porque será? Ah! Simplesmente porque maluco ele não é!

Sr. Grosseiro e Insuportável Richfield - O Chefe

Não vale confundir gestor rigoroso e exigente com chefe grosseiro e mal educado, ok? O primeiro pode até ser bastante demandante, mas você tem grandes chances de aprender muito e se desenvolver ao trabalhar com alguém assim. O segundo nos diminui, nos minimiza e nos enfraquece.

Trabalhei há alguns anos em uma empresa em que presenciei uma cena interessante, envolvendo um tipo desses e uma funcionária. Imaginem a situação:

Ele gritava (sempre) com ela, todos as demandas e orientações eram transmitidas em uma linguagem que se assemelhava a um grunhido, quase imcompreensível. O tom de voz era grosseiro, as palavras usadas eram agressivas, nada se salvava no seu estilo rudimentar de comunicação (a figura aí do lado, é uma reprodução quase perfeita do tipinho).

Ela se mantinha inalterada, com um leve sorriso nos lábios que transmitia serenidade, nunca ironia ou deboche. Escutava, checava o entendimento, respondia às questões, sempre com uma voz suave. Um dia, eu perguntei a ela como aguentava e, aparentemente, sem se aborrecer. Ela respondeu tranquilamente:

– Cláudia, quem fica doente é ele, quem se estressa é ele, quem tem problema de estômago, também é ele, quem não tem colegas é ele mais uma vez, assim, porque deveria eu me aborrecer? Ele sim, coitado, deveria se preocupar…

Imensa sabedoria e serenidade tem essa colega.

Sorry, there are no polls available at the moment.

Creio que o melhor remédio para evitar uma situação assim é se posicionar. Sinto por aqueles que acreditam não conseguir ou não poder, mas esse tipo de gente só respeita quem não se intimida com grosserias e berros, não é para devolver na mesma moeda, é para dizer que dessa forma essa pessoa não pode falar com você. Difícil, mas necessário ou, então, adquira a sabedoria da nossa colega ou, ainda, mude de chefe.

Tome qualquer atitude desde que não seja a solução proposta no filme, ok? O importante é não permitir que isso prejudique sua saúde mental e física.

Até,

Compartilhe
FacebookTwitterLinkedInPinterestWhatsAppEmail
print

4 Comentários

Para aqueles que leem bem o inglês, aqui tem um dos melhores livros jamais escritos sobre a horror que é a vida na empresa: mentiras, manipulações, incompetência, assédio. A verdadeira realidade do que acontece no mundo das empresas, que todos sabem. O autor, Ahmed Limam, fala em voz alta o que todo mundo não se atreve a dizer mais que todos murmuram.

“High-tech Planet: Secrets of an IT Road Warrior”, na Amazon

Boa noite Claudia,

Sou um empreendedor no seguimento de metrologia, podemos dizer que ja vi algumas coisas nestes ultimos quinze anos , principalmente no setor automobilistico, hoje me deparei com uma grande necessidade de pasar para frente o acumulado durante todos estes anos e penso em estruturar dentro de uma estrutura ja existente uma escola de aprendizes, onde vou buscar resumir de forma bem estruturada toda experiencia por mim absorvida durante este periodo, incluindo a ajuda aos pais no direcionamento da conduta de seus filhos.

Sinto que na busca do primeiro emprego existe uma grande dificuldade em saber que caminho seguir e desta forma aceita-se qualquer coisa, quero com isto direcionar de forma bastante profissional e com um certo empurraozinho esta garotada ao mercado de trabalho de uma forma ja direcionando-os a uma determinada profissao.
e ou seguimento que os agrade-os.

gostaria de saber sua opniao sobre este tipo de formacao, se abrir os olhos deles quanto as advercidades ocorridas na rotina do dia a dia dentro de uma corporacao seria salutar ou previni-los de ocorrencias tornara eles mais vulneraveis ?

sou do tipo que quase tudo que aprendi foi na dor, tenho dificuldade de absorver as coisas com amor, porem as meus so consigo agir com amor, e o resultado e bem mais duradouro apesar do prejuizo momentaneo.

um grande abraco e fico no aguardo de seus comentarios.

att

Soares
Claudemir